Inteligência emocional na universidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Estudante focado nos estudos após desenvolver sua inteligência emocioal

Durante a vida acadêmica o aluno é colocado em diversas situações de stress, prazos curtos e alta demanda de esforço mental. Trabalhar sua inteligência emocional pode lhe ajudar a entender melhor como lidar com essas emoções e não prejudicar seu desenvolvimento enquanto estudante e posteriormente no mercado de trabalho.

O que é inteligência emocional?

Caso não esteja acostumado com o termo, você pode entender melhor do que se trata no artigo: Entendendo a Inteligência Emocional. E se você quiser ir além, temos um e-book explicando todo o contexto histórico e cientifico do estudo

Como isso pode me ajudar?

Ao entender suas emoções, você lida melhor com momentos difíceis, toma melhores decisões e aproveita ao máximo do aprendizado. O desenvolvimento intelectual, o preparo profissional e acima de tudo, ter um diferencial ao ingressar no mercado de trabalho.

Além disso, você começa a desenvolver e melhorar algumas habilidades, o chamado “quociente emocional”, conhecido como QE. Uma forma de medir a inteligência emocional, que, segundo Daniel Goleman(psicólogo e jornalista científico).

  • Autoconsciência;
  • Autorregulação;
  • Motivação;
  • Habilidades sociais;
  • Empatia.

A IE está conectada com às emoções, nossas e dos outros. A capacidade de identificar, reconhecer, lidar e gerencia-las. São habilidades que não são ensinadas nas escolas. Essas habilidades devem ser desenvolvidas, de diversas formas, entretanto, você precisa estar disposto a evoluir pessoal e intimamente.

Habilidades de uma IE desenvolvida

Você pode avaliar sua inteligência emocional de diversas formas, comece fazendo uma crítica a si mesmo em relação ao mundo interior e exterior.

  • Eu tenho consciencia dos meus sentimentos e emoções?
  • Como eu lido com críticas?
  • Reconheço meus erros?
  • Quando foi a última vez que eu ajudei o próximo?
  • Sou uma pessoa autêntica e honesta?
  • Eu sei quando dizer não?
  • Sou capaz de me automotivar?

Como podemos observar, cada pessoa tem sua singularidade e é um conjunto de todos atributos, não todos. No momento em que você tem consciencia sobre a IE e suas características, se torna capaz de reavaliar certas atitudes e treinar as habilidades que até então não tinham sido observada a importância.

Atenção! Cuidados sobre a inteligência emocional

Diferente do que aparenta, desenvolver sua inteligência emocional não significa que você irá se tornar uma pessoa automaticamente feliz, agradável, calma e motivada o tempo todo.

Não existe perfeição!

Trabalhar sua IE não significa que você se tornará isento de dias ruins, mau humor, insegurança, desmotivação e todos os desafios do dia a dia. Na universidade, temos que lidar com enormes cargas de responsabilidade que podem prejudicar até pessoas com a Inteligência emocional mais desenvolvida.

Entender é o primeiro passo.

Os estudantes lidam com situações extremas que exigem que você entenda como suas emoções se manifestam, seja uma nota baixa ou um professor que desmotiva sua turma. É preciso entender como usar suas emoções como uma arma, mas também, como um escudo.

Empatia é a chave

A inteligência emocional, quando lidamos diretamente com pessoas todos os dias como na universidade se torna muito sobre se colocar no lugar do próximo, entender que, assim como nós todos estão lutando contra a mesma carga emocional em busca dos mesmos objetivos.

Por que deixar pra depois?

Não deixe pra depois, procure entender suas emoções para usa-las ao seu favor. Você com certeza é capaz de muito mais do que está exercendo. Seja uma melhor versão de si mesmo e ajude pessoas próximas a se desenvolver também.

Caso tenha gostado do conteúdo, estamos no Facebook e Instagram.

Veja mais

Deixe um comentário!

Sobre mim

Márcio Dias é Administrador de Empresas, especialista em Inteligência Emocional, natural de Rio Grande – RS, estudo dos perfis humanos(Eneagrama), desenvolvimento de liderança e especialista em Programação Neurolinguística.

Artigos recentes

Siga-nos

FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES